A Mosca (1986)

the-fly

1986 / EUA, Reino Unido, Canadá / 96 min / Direção: David Cronenberg / Roteiro: David Cronenberg, Charles Edward Pogue (baseado no conto de George Langelaan) / Produção: Stuart Cornfeld, Marco Boyman e Kip Ohman (Co-produtores) / Elenco: Jeff Goldblum, Geena Davis, John Getz

Se eu não me engano esse é o segundo filme de  David Cronenberg que está na resenha do Terror Mania, uma pena. Esse ano vou me concentrar mais em seus filmes. Mas falar de Cronenberg, é falar desse horror mais surreal, psicodélico e totalmente “coll” que tomou de assalto os anos 80. Os primeiros filmes do diretor no Canadá já se tornaram cult. E quando veio para os E.U.A explodiu a cabeça de vários cinéfilos e críticos. Uma das melhores coisas em seus filmes é a direção, os efeitos especiais e seus olho preciso para a escolha de um tema e também os atores, que dão aquele “tcham” final para a sua obra.

Os primeiros filmes de David Cronenberg tinham uma pegada bem surreal, lembrava muitos os filmes do David Lynch (outro diretor que devo resenha dele aqui), mas precisamente seus primeiros filmes lembrava muito ” Eraserhead“, principalmente “Scanners“, ” Videodrome ” e também “Os Filhos do Medo” de 1979. Dos anos 2000 para cá, parece que ele mudou seu jeito de fazer cinema, deixando o terror de lado e trabalhando mais com os suspenses e etc. E nisso tivemos filmes maravilhosos como “Cosmópolis“, “Senhores do Crime“, “Marcas da Violência” e o mais recente e excelente “Mapa para as Estrelas” que nossa é sensacional.

jeff-goldblum-seth-brundle-and-geena-davis

Mas passando rapidamente por esse cinema do Cronenberg, no qual espero voltar várias vezes esse ano para assistir e também resenha para o blog, um que se destaca também em sua filmografia, é “A Mosca” no qual vale ressaltar que a Netflix acabou de colocar em seu catalogo. Esse filme na verdade é um “remake” no qual foi lançado em 1958 que se chama “ A Mosca da Cabeça Branca“, um clássico do terror B dos anos 50 que claro virou um filme cult. No começo do projeto um dos nomes que estava cotado para dirigir era o Tim Burton (graças a deus, isso nunca aconteceu), então passaram o projeto para David Cronenberg, que usou elementos só não homenageando o filme de 1958, como também usou como influencia a obra de Franz Kafka que é “A Metamorfose“.

O filme teve um orçamento de 15 milhões de dólares, e digo que foi muito bem aproveitado, principalmente pelos efeitos práticos, nada de CGI ou coisa parecida. Só a maquiagem de Jeff Goldblum levava 5 horas para ficar pronta, e digo com certeza que essa também é a melhor atuação do ator. Gosto muito dele em vários filmes como o meu filme favorito de todos os tempos que é “A Vida Marinha com Steven Zissou“. Outra pessoa que se destaca e muito no elenco é a Geena Davis, que nossa as cenas dela sozinha são simplesmente fantástica. Gosto muito como o Cronenberg brinca com os sonhos em seus filmes, e nesse a coisa fica surreal demais. O legal também é que o filme faz várias referencias ao filme original e cai como uma luva, nada é jogado. Numa cena onde Seth Brundle (Goldblum), está conversando com Veronica (Davis) e ele começa a citar uns trechos do filme original “de como uma mosca sonhou em ser um humano“, chega até arrepiar.

the-fly-1986-still

O enredo do filme se desenrola em  torno do físico Seth (Goldblum), que está desenvolvendo projeto de teletransporte, numa festa ele conhece a jornalista Veronica (Davis). Ele começa a ter um romance com ela, em paralelo ela grava os avanços das experiências de Seth. Essa coisa do diário é muito legal e também lembra bem outra obra de terror com experiências que é “Frankenstein” da Mary Shelly.  Mas após fazer alguns testes com objetos e com um macaco, Seth testa sua máquina nele mesmo. E quando ele entra na cabine de teletransporte, ele acaba se fundindo geneticamente a com uma mosca, assim aos poucos seu corpo vai mudando até finalmente virar uma mosca, e tudo que acontece no meio disso envolve gravidez, aborto e tal. O filme é bem “polemicão” mesmo, mas tudo compensa pelo excelente roteiro, direção, efeitos e atuação.

Nem preciso falar que o filme virou um sucesso e também estourou nas bilheteiras, principalmente com o lucro de 60 milhões que o filme teve. A Mosca ganhou uma sequência chamada “A Mosca 2“, eu descobri ano passado que existe esse filme na verdade, eu nunca assisti, mas revendo esse filme de 1986, tive uma curiosidade mórbida para saber o que acontece. Vale ressaltar também que produção original ganhou o Oscar de melhor maquiagem em 1987 e no “Saturn Awards“, ele ganhou de melhor filme, ator e maquiagem. Para mim esse filme é perfeito, uma bom mistura do terror com a ficção, ou melhor, o uso dos elementos do terror para também pintar essa história de amor e drama que a história tão bem carrega, um filme único que vale muito a pena ser visto e revisto.

di-the-fly-1986-2

Nota: 5 Caveiras

Baixe o filme com legenda aqui

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s